Leva-me aos fados... E aos livros!

By Maria Moreira Rato - junho 12, 2017



  Poderia começar este post com uma saudação em modo cliché, como: "Olá, meus queridos e minhas queridas! Sei que tenho estado ausente, mas adoro-vos!". Sim, adoro-vos, mas tenho sido negligente com este meu bebé porque o volume de trabalho da faculdade aumentou exponencialmente e senti que estava a rebolar por uma montanha abaixo e que cinquenta toneladas de neve caíam em cima de mim ou estavam na iminência de cair - sim, porque mal terminava um trabalho ou de estudar para um teste, surgia outra tarefa. E quando tive tempo para escrever, passei duas horas a fazê-lo e o Blogger, adorável como sempre, apagou o texto. Chorei, ganhei motivação e apagou os primeiros parágrafos da segunda versão. Portanto, se este post não vir a luz do dia... Não vos aviso de nada porque não saberão. Se estão a ler isto: correu tudo bem e podemos passar aos temas que me trazem aqui hoje!
  Recordo-me da minha infância e uma das atividades mais marcantes da mesma não foi brincar no jardim infantil com os meus amigos ou sujar-me com gelados que a minha mãe me comprava - não me interpretem mal, tudo isso é verdadeiramente fantástico, mas ir aos fados, como se costuma dizer, com a minha avó, era uma das minhas coisas prediletas. Ela sempre teve uma voz de ouro e adorava ir a restaurantes onde se celebrava este género musical com pompa e circunstância e mesmo sabendo que eu não devia ir... Bom, eu implorava-lhe para que me levasse consigo e ela fazia-me esse favor. Acabávamos a noite com ela a cantar o Marquês de Linda-a-Velha perante uma plateia surpreendida ou comigo a derramar umas lágrimas enquanto ouvia fadistas a entoar "Canoa, por onde vais, se algum barco te abalroa, nunca mais voltas ao cais...", sem perceber o significado total da letra, mas a sentir o poder de cada nota musical.
  Os anos passaram, contudo, a minha paixão pelo fado não cessou e apesar de uma parte de mim residir nos concertos e festivais e querer saltar ao som dos Bon Jovi, dos The Script, dos Goo Goo Dolls, dos The Rolling Stones, do Ed Sheeran, do Michael Jackson e de mais 245324 artistas, outra continua a proferir dolorosamente "De quem eu gosto, nem às paredes confesso..."
  E foi precisamente essa uma das canções que ouvi ontem, n'A Severa, restaurante icónico de Lisboa, fundado em 1955. A admiração juntou-se à sorte: o André, um dos meus melhores amigos, celebrou o seu 20º aniversário e convidou-me para ir jantar com ele a este sítio peculiar, na Rua das Gáveas. Ouvimos artistas incríveis, como Natalino de Jesus e Alzira de Sá. Quando as luzes artificiais se apagavam e na sala restavam apenas as pequenas velas que se erguiam nos pratos com pequenas flores pintadas à mão, sabíamos que se cantaria o fado dali a segundos!

No meu exemplar de Escrito na Água, a Paula escreveu: "To Maria, Good luck with your writing" e, no d'A Rapariga no Comboio, desejou-me tudo de bom.

  Horas antes, a literatura antecedera a música: a 87ª Feira do Livro de Lisboa está a decorrer desde 1 de junho e há meses, sem exagero, que andava a enviar links com livros que deveríamos procurar neste evento ao André e, principalmente, a fazê-lo ver que devia vir comigo à sessão de autógrafos da Paula Hawkins, a aclamada escritora d'A Rapariga no Comboio que há pouco mais de um mês lançou Escrito na Água. E só não vou escrever isto em letras maiúsculas para não vos assustar mas conheci-a, ela disse que se lembrava de mim (já falámos no Facebook, sabem bem que sou chata) e depois de ela me ter escrito estas coisas fofinhas, conheci o Francisco Salgueiro, um dos autores lusófonos contemporâneos que mais admiro!
  Chegámos ao Parque Eduardo VII depois do meio-dia e foi excelente reparar que uma boa parte das pessoas ainda gosta de folhear livros, sentir o seu cheiro e, o mais engraçado: que quer incitar os mais novos a viver as histórias fisicamente e não através de gadgets - não me interpretem mal, mas não sou muito apologista da leitura "digital", excetuando nos casos em que esta beneficia quem não tem possibilidade de comprar livros em suporte de papel (aí, acho-a fantástica).
  Como estávamos preparados, levávamos a nossa wishlist criada a partir do site da feira e começámos a explorar o recinto. Desde a Leya, a Bertrand, passando pela 20/20 Editora, até entidades menos conhecidas como a editora da Universidade Católica ou editoras dedicadas à publicação de livros sobre a atividade ultramarina, havia uma banca para cada um, literalmente - é quase impossível que alguém tenha saído/saia desiludido deste autêntico apogeu da paixão pela literatura onde os pavilhões repletos de surpresas fazem as delícias de todos os livrólicos (este termo é muito estranho, mas demasiado exato)!
  Sendo honesta, fui à falência, é essa a verdade, e se fiquei na penúria, tenho de vos mostrar as preciosidades que adquiri, não acham? Ora bem, passemos àquilo que importa!
  

  Confissão número 1: tive de tirar materiais da faculdade da minha estante para arrumar os livros novos;
  Confissão número 2: o "Depois do Fim" é tão pesado que tive de usar o meu coelho-mealheiro como apoio das novas aquisições;
  Confissão número 3: nunca li nada do Miguel Esteves Cardoso, só as crónicas dele - eu sei, sou triste;
  Confissão número 4: o Lolita e o Para Maiores de Dezasseis abordam relações incestuosas e onde existem grandes e inapropriadas diferenças de idade;
  Confissão número 5: quero ler O Deus das Moscas desde que a minha professora de Sociologia da Comunicação passou uns dez minutos de uma aula a falar dele, no semestre passado;
  Confissão número 6: só li A Metamorfose do Kafka e senti que devia aumentar o meu conhecimento kafkaniano (que raio de palavra).

  
  Obrigada por estarem desse lado, prometo que regressarei com artigos jornalísticos e muitas novidades!

  • Share:

You Might Also Like

9 comentários

  1. Obrigado coisa mais linda da minha vida :') Sou eeeeeeeeeeeeeeeeu :D E, ups, parece que é já hoje :P

    Sou muito do bairro e da tradição e sempre quis, muito, ir a uma casa de Fados. Não sei. Deve sentir-se uma energia diferente :D
    Ler-te é sempre tão bom <3

    NEW PERSONAL POST | The PARTY is here, cause, it's my BDAY ;D
    InstagramFacebook Official PageMiguel Gouveia / Blog Pieces Of Me :D

    ResponderEliminar
  2. Que saudades de receber os teus comentários e de vir aqui ler (= gosto muito desta tua nova "versão", continua!

    Parecem ter sido uns dias em cheio! Quanto aos trabalhos na faculdade, é duro, eu sei, mas faz parte. E tu consegues! (;

    Eu nunca fui a uma casa de fados... nunca! Uma vergonha, eu sei. Tenho de tratar disso. Mas já li Miguel Esteves Cardoso e aconselho, vais gostar (;

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Um dia fantástico Maria Moreira!
    Gostei da tua crónica!
    Bjs

    ResponderEliminar
  4. R: Se queres mesmo saber estive no teu blogue (ou seja aqui lol) logo depois de escrever a publicação mas não soube o que comentar.
    Eu não tenho dito nada porque perdi o teu número, mas manda-me um e-mail para o endereço do blogue que eu explico tudo melhor!

    ResponderEliminar
  5. Investir em livros nunca me parece mau negócio. É um património que se pode transmitir de gerações em gerações... ou usar como acendalhas de lareira =P

    ResponderEliminar
  6. Péssimo dia para mim para falar de "amigas de quatro patas". De livros é uma vergonha. Tenho quase meia dúzia na mesa-de-cabeceira... eu, que ainda há pouco tempo não me deitava (nem que fossem 5 horas da madrugada) sem ler um capítulo de um livro, mesmo daqueles que já tinha lido.
    E para completar a desgraça, criado em Lisboa desde os 11 anos, nunca fui a uma noite de fados. Não gosto de "multidões". Tenho pavor de concertos rock e sobram-me dedos de uma mão para contar os que assisti.
    Na sexta estou convidado para um jantar em grupo (cerca de dez pessoas) e uma ida aos santos populares. Estou em pânico. Confesso que só vou pela "Maria". xD

    ResponderEliminar
  7. oh meu deus, como te entendo! a feira do livro é a minha desgraça!!!

    r: owwww!! é tão bom ler o que disseste vindo de uma futura jornalista. obrigada! <3

    ResponderEliminar
  8. Preciso de ler "Escrito na Água"!!
    Ai as feiras do livro, perdição!

    r: Pode custar ao início, mas mais tarde ou mais cedo perceberemos que assim foi porque teve de ser :)
    Fico feliz por saber que estás a gostar do meu blog, volta sempre que quiseres! Também estou a adorar o teu!!

    ResponderEliminar
  9. Adoro livros e adoro ler, também já estou como tu, já tive de tirar imensa coisa do sítio para arrumar as novas aquisições *

    ResponderEliminar